blogspot visitor counter
Biblioteca Municipal de Grândola
Biblioteca Municipal de Grândola
Rua Dr. José Pereira Barradas 7570-281 Grândola tlf:269450080 fax:269498666 biblioteca@cm-grandola.pt
terça-feira, 3 de maio de 2016
O estrabismo das inglesas
   "António pede-me crónica sobre a inglesa que está longe. António, o da perseverança, bem sabe que a inglesa um dia estará perto. Dele.
   - E daí?, interroga-me, em desafio, o super-ego de António.
   - Nada! António, responde-lhe, estranhamente modesto, o meu subdesenvolvido super-ego.
   Agora, de homem para homem, que o mesmo é dizer de criança velha para criança grande, confesse-me uma coisa, António: como vai essa inglesa (porque se trata de uma bem concreta inglesa) no que respeita a estrabismo?
   António não me responde. Pensará ele que o estrabismo é só um olho que manda o outro olho à fava? Não saberá que um dos encantos das «loiras filhas de Albion», como diz Chavão, é esse olho que elas põem em nós enquanto o outro olho divaga pelo infinito?
   Ah! Não haver um Júlio Dinis moderno e sem pupilas que nos iniciasse no estrabismo das inglesas! Porque é esse, António, um dos maiores «ufes!» que elas podem dar. Olho em nós e, ao mesmo tempo, olho no infinito; olho na nossa cara (nós) e, simultaneamente, olho na nossa nuca (infinito)! Já teria sido você, António, enlaçado-largado por um directo-errabundo olhar inglês desses?
   Não?
   Que sorte o meu amigo teve!...
   Se a espanhola é o andar, a inglesa é o olhar. Das espanholas, desses sinos moventes, tiveram nossos avós estendida experiência. Já a candura explosiva, a inocência incendiária das inglesas pôs menos fogos nos nossos relentos machistas. É que, dumas às outras, o passo é largo. Chama-se espiritualidade
   A inglesa que está longe não é - vejo-o agora! - uma pessoa dessas que ainda se dão ao luxo de ter biografia. A inglesa que está longe, caro António, é apenas o olho de inglesa que erra pelo infinito, quer dizer, que o olha a você na nuca. Falta-lhe ainda o olho que o olha de frente, que o olha patente. Só então terá você completado a sua inglesa, o estrabismo de eleição, em suma, a perfeição!
   Defenda-se, António, da inglesa de olhar longe-perto! Pode ser a sua hora da verdade..."
 
Alexandre O'Neill, in "Já cá não está quem falou"

Etiquetas: