blogspot visitor counter
Biblioteca Municipal de Grândola
Biblioteca Municipal de Grândola
Rua Dr. José Pereira Barradas 7570-281 Grândola tlf:269450080 fax:269498666 biblioteca@cm-grandola.pt
sexta-feira, 28 de março de 2008
Bom Fim de Semana!
" Auto-retrato num Grupo" de Almada Negreiros

Os Funcionários da Biblioteca Municipal desejam um Bom Fim de Semana a todos os seus utilizadores


Poema da Semana
MOMENTO DE POESIA
Se escrevo ou leio ou desenho ou pinto,
logo me sinto tão atrasado
no que devo à eternidade,
que começo a empurrar pra diante o tempo
e empurro-o, empurro-o à bruta
como empurra um atrasado,
até que cansado me julgo satisfeito.
(Tão gémeos são
a fadiga e a satisfação!)
Em troca, se vou por aí
sou tão inteligente a ver tudo o que não é comigo,
compreendo tão bem o que não me diz respeito,
sinto-me tão chefe do que está fora de mim,
dou conselhos tão bíblicos aos aflitos de uma aflição que não é minha,
que, sinceramente, não sei qual é melhor:
se estar sozinho em casa a dar à manivela da vida,
se ir por aí e ser Rei de tudo o que não é meu.
Almada Negreiros
quinta-feira, 27 de março de 2008
Livro da Semana



CAPITÃES DA AREIA


Jorge Amado




Publicado em 1937, teve a sua primeira edição apreendida e queimada, em Praça Pública, pelas autoridades do Estado Novo. Em 1944 conheceu nova edição e desde então sucederam-se as edições e as adaptações para Rádio, Televisão e Cinema.


O autor descreve, em páginas carregadas de beleza, dramatismo e lirismo, a vida dos meninos abandonados e marginalizados que aterrorizam as ruas de São Salvador da Bahia.


Aproximadamente 40 meninos com idades compreendidas entre os 9 e os 16 anos, dormiam nas ruínas de um velho "trapiche" abandonado.


Tinham como líder Pedro Bala, rapaz de 15 anos, generoso e valente, que vagabundeava pelas ruas, há dez anos, conhecendo a cidade a cada palmo.


Durante o dia, maltrapilhos, sujos e esfomeados, vadiavam pelas ruas fumando pontas de cigarros, mendigando comida ou praticando pequenos furtos.


Este contacto precoce com a dura realidade da vida adulta fazia com que se tornassem agressivos e desbocados.


No dia-a-dia o Bando contava com o apoio amigo de alguns adultos.


Don'Aninha, mãe-de-santo, que sempre os socorria em caso de doença ou necessidade.


O Padre José Pedro, introduzido no grupo por Boa-Vida, conhecia o esconderijo dos Capitães. Aos poucos conquistou a sua confiança, indo com frequência visitá-los.


O pescador Querido-de-Deus e o estivador João-de-Adão tinham a confiança dos meninos, que, por sua vez, não mediam esforços para recompensar esse apoio.


Um dia Salvador foi assolada pela epidemia de Varíola, e como os pobres não tinham acesso à vacina, muitos morriam.


Almiro, o primeiro Capitão a ser infectado, morreu.


Dora e o irmão Zequinha perderam os pais durante a epidemia. Não tendo onde ficar, acabaram no "trapiche", levados por João Grande e o Professor.


Foi grande a confusão que Dora causou no antigo armazém, uma vez que era a única presença feminina. Foi aceite no grupo, depois de algum tempo e, vestida como eles, participava em todas as actividades e roubos do Bando. Pedro Bala apaixonou-se.


Quando roubavam um Palacete de um ricaço foram presos. Parte do grupo conseguiu fugir, graças à ajuda de Pedro Bala, que acabou por ser levado para um Reformatório, de onde também conseguiu fugir.


Já em liberdade preparou-se para salvar Dora. Mas um mês no Reformatório Feminino foi o suficiente para acabar com a alegria e a saúde da rapariga. Conseguiu libertá-la, mas Dora morreu na manhã seguinte. Todos choraram a sua ausência.


Alguns anos se passaram e o destino de cada um foi tomando rumo.


O Professor foi para o Rio de Janeiro e conseguiu expôr os seus Quadros.


Pirulito, que já não roubava mais, entrou para uma ordem religiosa.


Sem-Pernas morreu a fugir à Polícia.


Volta-Seca acabou a fazer o que sempre sonhou, juntou-se ao Bando do seu Padrinho Lampião, tornando-se um terrível assassino de Polícias.


Gato, perfeito "Gigolô" e vigarista, estava em Ilhéus, enganando os Coronéis.


João Grande embarcou, como marinheiro, num navio de carga.


Após o auxílio na greve dos condutores de autocarros, o Bando dos Capitães da Areia, de Pedro Bala, tornou-se uma "Brigada de Choque", intervindo em comícios, greves e em lutas de classes.


Anos depois, Pedro Bala, conhecido organizador de greves e perigoso inimigo da ordem estabelecida, é perseguido pela Polícia de cinco Estados.




Este romance faz parte do Plano Nacional de Leitura e encontra-se disponível na Biblioteca com a cota


82 LPBR-3 MDO






CARLOS FRAGA

Morte de Dora

(Capitães da Areia - Jorge Amado)

quarta-feira, 26 de março de 2008
Dia Mundial do Teatro - 27 de Março

quinta-feira, 20 de março de 2008

Bom Fim de Semana! Boa Páscoa!

"Pietà" de Miguel Ângelo

Os funcionários da Biblioteca Municipal desejam a todos um bom fim de semana e uma Páscoa Feliz.

Poema da Semana
Num meio-dia de fim de Primavera
Tive um sonho como uma fotografia.
Vi Jesus Cristo descer à terra.
Veio pela encosta de um monte
Tornado outra vez menino,
A correr e a rolar-se pela erva
E a arrancar flores para as deitar fora
E a rir de modo a ouvir-se de longe.

Tinha fugido do céu.
Era nosso demais para fingir
De segunda pessoa da Trindade.
No céu era tudo falso, tudo em desacordo
Com flores e árvores e pedras.
No céu tinha que estar sempre sério
E de vez em quando de se tornar outra vez homem
E subir para a cruz, e estar sempre a morrer
Com uma coroa toda à roda de espinhos
E os pés espetados por um prego com cabeça,
E até com um trapo à roda da cintura
Como os pretos nas ilustrações.
Nem sequer o deixavam ter pai e mãe
Como as outras crianças.
O seu pai era duas pessoas –
Um velho chamado José, que era carpinteiro,
E que não era pai dele;
E o outro pai era uma pomba estúpida,
A única pomba feia no mundo
Porque não era do mundo nem era pomba.
E sua mãe não tinha amado antes de o ter.
Não era mulher: era uma mala
Em que ele tinha vindo do céu.
E queriam que ele, que só nascera da mãe,
E nunca tivera pai para amar com respeito,
Pregasse a bondade e a justiça!

Um dia que Deus estava a dormir
E o Espírito Santo andava a voar,
Ele foi à caixa dos milagres e roubou três.
Com o primeiro fez que ninguém soubesse que ele tinha fugido.
Com o segundo criou-se eternamente humano e menino.
Com o terceiro criou um Cristo eternamente na cruz
E deixou-o pregado na cruz que há no céu
E serve de modelo às outras.
Depois fugiu para o Sol
E desceu pelo primeiro raio que apanhou.
Hoje vive na minha aldeia comigo.
É uma criança bonita de riso e natural.
Limpa o nariz ao braço direito,
Chapinha nas poças de água,
Colhe as flores e gosta delas e esquece-as.
Atira pedras aos burros,
Rouba a fruta dos pomares
E foge a chorar e a gritar dos cães.
E, porque sabe que elas não gostam
E que toda a gente acha graça,
Corre atrás das raparigas
Que vão em ranchos pelas estradas
Com as bilhas às cabeças
E levanta-lhes as saias.

A mim ensinou-me tudo.
Ensinou-me a olhar para as coisas.
Aponta-me todas as coisas que há nas flores.
Mostra-me como as pedras são engraçadas
Quando a gente as tem na mão
E olha devagar para elas.

Diz-me muito mal de Deus.
Diz que ele é um velho estúpido e doente,
Sempre a escarrar no chão
E a dizer indecências.
A Virgem Maria leva as tardes da eternidade a fazer meia.
E o Espírito Santo coça-se com o bico
E empoleira-se nas cadeiras e suja-as.
Tudo no céu é estúpido como a Igreja Católica.
Diz-me que Deus não percebe nada
Das coisas que criou –
“Se é que ele as criou, do que duvido.” –
“Ele diz, por exemplo, que os seres cantam a sua glória,
Mas os seres não cantam nada.
Se cantassem seriam cantores.
Os seres existem e mais nada,
E por isso se chamam seres.”
E depois, cansado de dizer mal de Deus,
O Menino Jesus adormece nos meus braços
E eu levo-o ao colo para casa.

Ele mora comigo na minha casa a meio do outeiro.
Ele é a Eterna Criança, o deus que faltava.
Ele é o humano que é natural,
Ele é o divino que sorri e que brinca.
E por isso é que eu sei com toda a certeza
Que ele é o Menino Jesus verdadeiro.

E a criança tão humana que é divina
É esta minha quotidiana vida de poeta,
E é porque ele anda sempre comigo que eu sou poeta sempre.
E que o meu mínimo olhar
Me enche de sensação,
E o mais pequeno som, seja do que for,
Parece falar comigo.

A Criança Nova que habita onde vivo
Dá-me uma mão a mim
E a outra a tudo que existe
E assim vamos os três pelo caminho que houver,
Saltando e cantando e rindo
E gozando o nosso segredo comum
Que é o de saber por toda a parte
Que não há mistério no mundo
E que tudo vale a pena.

A Criança Eterna acompanha-me sempre.
A direcção do meu olhar é o seu dedo apontado.
O meu ouvido atento alegremente a todos os sons
São as cócegas que ele me faz, brincando, nas orelhas.

Damo-nos tão bem um com o outro
Na companhia de tudo
Que nunca pensamos um no outro,
Mas vivemos juntos e dois
Com um acordo íntimo
Como a mão direita e a esquerda.

Ao anoitecer brincamos as cinco pedrinhas
No degrau da porta de casa,
Graves como convém a um deus e a um poeta,
E como se cada pedra
Fosse todo um universo
E fosse por isso um grande perigo para ela
Deixá-la cair no chão.

Depois eu conto-lhe histórias das coisas só dos homens
E ele sorri, porque tudo é incrível.
Ri dos reis e dos que não são reis,
E tem pena de ouvir falar das guerras,
E dos comércios, e dos navios
Que ficam fumo no ar dos altos mares.
Porque ele sabe que tudo isso falta àquela verdade
Que uma flor tem ao florescer
E que anda com a luz do sol
A variar os montes e os vales
E a fazer doer aos olhos os muros caiados.

Depois ele adormece e eu deito-o.
Levo-o ao colo para dentro de casa
E deito-o, despindo-o lentamente
E como seguindo um ritual muito limpo
E todo materno até ele estar nu.
Ele dorme dentro da minha alma
E às vezes acorda de noite
E brinca com os meus sonhos.
Vira uns de pernas para o ar,
Põe uns em cima dos outros
E bate as palmas sozinho
Sorrindo para o meu sono.

Quando eu morrer, filhinho,
Seja eu a criança, o mais pequeno.
Pega-me tu ao colo
E leva-me para dentro da tua casa.
Despe o meu ser cansado e humano
E deita-me na tua cama.
E conta-me histórias, caso eu acorde,
Para eu tornar a adormecer.
E dá-me sonhos teus para eu brincar
Até que nasça qualquer dia
Que tu sabes qual é.

Esta é a história do meu Menino Jesus.
Por que razão que se perceba
Não há-de ser ela mais verdadeira
Que tudo quanto os filósofos pensam
E tudo quanto as religiões ensinam?

Alberto Caeiro
quarta-feira, 19 de março de 2008
Ilustre Desconhecido: Jorge Amado
Jorge Amado nasceu em Itabuna, em 10 de Agosto de 1912.
Foi para Ilhéus com apenas um ano de idade e foi aí que passou a infância e descobriu as Letras.
A sua Adolescência foi passada em Salvador, onde, aos 14 anos, passou a participar na vida Literária dessa cidade.

Estreou-se na Literatura em 1930 com a Novela "Lenita", escrita em colaboração com Dias da Costa e Édison Carneiro.

Em 1931, apenas com 19 anos, edita o seu primeiro Romance "O Pais do Carnaval".

Apesar de se ter formado em Direito, em 1935, nunca chegou a exercer a Profissão.

Filiado no Partido Comunista Brasileiro, é também no ano de 1935 que começa a sofrer perseguições políticas, que o levam a exilar-se na Argentina e ruguai (1941-1942), em Paris (1948-1950) e em Praga (1951-1952).

Em 1945 foi eleito Deputado Federal, tendo participado na Assembleia Constituinte de 1946.

Nessa condição, foi responsável por várias leis que benefeciaram a Cultura do País.

De volta ao Brasil, em 1955, afastou-se da vida Política, sem, no entanto, deixar os Quadros do Partido Comunista.

Em 1961 foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras e cinco anos depois foi nomeado, pela primeira vez, para o Prémio Nobel da Literatura.

Nas décadas de 70 e 80 diversos livros seus são adaptados para Cinema e Televisão.

Os seus livros foram editados em 55 Países e traduzidos para 49 idiomas.

Durante toda a sua vida recebeu inúmeros Prémios Literários e Condecorações.

Jorge Amado morreu perto de completar 89 anos, em Salvador, a 6 de Agosto de 2001.

A sua vasta Obra costuma ser dividida em duas fases:

A primeira fase, iniciada com "O País do Carnaval", em 1931, caracteriza-se pelo forte conteúdo Político e pela denúncia das injustiças sociais.
"Cacau" (1933)
"Capitães da Areia" (1937)
"Seara Vermelha" (1946)
"Os Subterrâneos da Liberdade"

A segunda fase, iniciada com "Gabriela, Cravo e Canela", em 1958, caracteriza-se pelos elementos folclóricos e populares (Costumes Afro-Brasileiros, o Candomblé, a Comida, etc.) com que constrói os seus Romances.
"Os Pastores da Noite" (1964)
"O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá" (1976)
"Tocaia Grande" (1984)
"O Milagre dos Pássaros" (1997)


Alguns dos livros do autor disponíveis na Biblioteca Municipal:
"Bahia de Todos-os-Santos"
"Dona Flor e seus dois Maridos"
"Jubiabá"
"A morte e a morte de Quincas Berro D'Água"
"Terras do Sem Fim"
"Capitães da Areia"
"O Sumiço da santa"
"A Bola e o Goleiro"
terça-feira, 18 de março de 2008
Acordo Ortográfico

Na sequência da aprovação para ratificação do segundo protocolo modificativo do Acordo Ortográfico pelo Governo, a Texto Editores já lançou dois Dicionários e um Guia conformes com as alterações previstas no novo Acordo.
Estas Edições lançadas, por agora, apenas em Portugal visam dar a conhecer as alterações introduzidas pelo novo Acordo Ortográfico de 1990.
As três obras contam com a colaboração dos linguistas João Malaca Casteleiro e Pedro Dinis Correia e são as primeiras obras lexicográficas elaboradas segundo a nova forma de escrever português.
  • Novo Dicionário da Língua Portuguesa: Conforme Acordo Ortográfico

  • Novo Grande Dicionário da Língua Portuguesa: Conforme Acordo Ortográfico

  • Actual: O novo Acordo ortográfioco - O que vai mudar na grafia do português
segunda-feira, 17 de março de 2008
Novidades Livros e DVDs


LIVROS






PATRITO, Marco


Atmosfera


82-9 PTR




AL BERTO


Dez cartas para Al Berto: Dez cartas de Al Berto


82 LP-6 BRT




ANTUNES, João Lobo


Memória de Nova Iorque e outros Ensaios


82 LP-4 NTN




ANDRADE, Eugénio


Com Palavras Amo


82 LP-1 NDR




CIPRIANO, Rita


Higiene e Segurança Alimentar


613.2 CPR




COHEN, Clélia


Steven Spielberg


791.43 CHN




Pintar a Paz: Projecto Kid's Guernica na Região de Setúbal


75 (Juv)




FERNANDEZ DOMINGUEZ, Manuel Antonio


Cuida do teu Planeta


502 DMN (Juv)




ARMAS CASTRO, Manuel


Violência na Escola


37 CST (Juv)






DVDs






América Proíbida


Realização de Tony Kaye


734 KYE (2594)




Confissões de uma Mente Perigosa


Realização de George Clooney


734 CLN (2592)




Um Coração Poderoso


Realização de Michael Winterbottom


733 WNT (2589)




As Leis da Atracção


Realização Peter Howitt


733 HWT (2590)




O Emigrante


Realização de Charles Chaplin


732 CHP (2591)
sexta-feira, 14 de março de 2008
Poema da Semana
Já reparaste que tens o mundo inteiro
dentro da tua cabeça
e esse mundo em brutal compressão dentro da tua cabeça
é o teu mundo
e já reparaste que eu tenho o mundo inteiro
dentro da minha cabeça
e esse mundo em brutal compressão dentro da minha cabeça
é o meu mundo
o qual neste momento não te está a entrar pelos olhos
mas através dos nomes
pois o que tu tens dentro da tua cabeça
e o que eu tenho dentro da minha cabeça
são os nomes do mundo em brutal compressão
como um filtro ou coador
de forma que nem és tu que conheces o mundo
nem sou eu que conheço o mundo
mas os nomes que tu conheces é que conhecem o mundo
e os nomes que eu conheço é que conhecem o mundo
o qual entra em ti e o qual entra em mim
através dos nomes que já tem
de forma que o que entra pelos meus olhos não pode
entrar pelos teus olhos
mas só pela tua cabeça através
dos nomes dados pela minha cabeça
àquilo que entrou pelos meus olhos já com nomes
e do mesmo modoo que entra pelos teus olhos não pode
entrar pelos meus olhos
mas só pela minha cabeça através
dos nomes dados pela tua cabeça
àquilo que entrou pelos teus olhos já com nomes
e assim o que tu vês
já está normalmente dentro de ti antes de tu o veres
e assim o que eu vejo
já está normalmente dentro de mim antes de eu o ver
e tudo quanto tu possas ver para aquém ou para além dos nomes
é indizível e fica dentro de ti
e tudo quanto eu possa ver para aquém ou para além dos nomes
é indizível e fica dentro de mim
e é assim que vamos construindo a nós mesmos pela segunda vez
tu a ti e eu a mim...
construindo urna consciência irrepetível e intransmissível
cada vez mais intensa e em si
tu em ti eu em mim
no entanto continuando a falar um com o outro
tu comigo e eu contigo
cada um
tentando dizer ao outro
como é o mundo inteiro que tem dentro da cabeça
e porque é e para que é
tu o teu mundo que tens dentro da tua cabeça
eu o meu mundo que tenho dentro da minha cabeça
até que morra um de nós
e depois o outro...

Alberto Pimenta

Etiquetas:

quinta-feira, 13 de março de 2008
Livro da Semana





Depois do enorme impacto que a colecção de O Bairro teve na literatura portugesa, Gonçalo M. Tavares começou agora a adoptar O Senhor Valery para a infância com evidente sucesso sem perder a essência humorística comum a todos eles.

Para os mais cépticos, posso assegurar que o livro assegura a típica boa moral das mais tradicionais estórias infantis.

Com ilustrações de Rachel Caiano este é um livro ideal para se entrar dentro da obra de um dos mais produtivos e geniais escritores portugueses da actualidade.

Disponível na sua biblioteca em 82 LP-34 TVR (Inf.)

Etiquetas:

quarta-feira, 12 de março de 2008
Visita do adido cultural da Embaixada do Japão




Ontem, dia 11 de Março, recebemos a visita do adido cultural da Embaixada do Japão, que nos honrou com a sua presença no último dia de abertura da exposição ao público.



Tendo ultrapassado os mil visitantes, esta iniciativa vem demonstrar que a cooperação entre as várias entidades de Grândola não só é possível como pode produzir resultados fenomenais.

Para além da visita, pudemos igualmente contar com a presença da Srª Shihoko Yamasuga Gouveia e da Maria Helena Castro que nos voltou a conduzir e encantar pelos caminhos da Luzes do Oriente, sendo que poderam contactar directamente com um grupo da EB1 da Aldeia do Futuro que não escondem a sua alegria e fascínio pela descoberta de uma nova cultura.

Mas mais do que tudo, é o fascínio que as reacções dos visitantes nos provoca que nos fazem continuar a trabalhar e dar o nosso melhor para continuarmos a poder servir a nossa comunidade da melhor maneira possível.

Etiquetas:

segunda-feira, 10 de março de 2008
Novidades Livros



REEVES, Hubert

Crónicas dos átomos e das galáxias

52 RVS


STUART-HAMILTON, Ian

A psicologia do envelhecimento

159.9 HML


FRANCO, José Eduardo

Padre António Vieira : imperador da língua portuguesa

929 VIE FRN



ESTANQUE, Elísio

Do Activismo à indiferença : Movimentos estudantis em Coimbra

316 STN



O'DONNELL, Lynne

Fim de tarde em Mossul

94(56) DNN



REDOL, Alves

Uma flor chamada Maria

82 LP-34 RDL (Inf.)



REDOL, Alves

Maria Flor abre o livro das surpresas

82 LP-34 RDL (Inf.)



ROSS, Tony

Quero a minha chupeta

82 LE-34 RSS (Inf.)



SIMOES, Antero

Universos de sol e mar

82 LP-1 SMS



BURCHARD, Brendon

O bilhete premiado da vida : uma história inspiradora

159.9 BRC

Etiquetas:

sexta-feira, 7 de março de 2008
Exposição de Bonecos Tradicionais Japoneses
Eis que mais uma semana ameaça chegar ao fim, depois de mais uma verdadeira epopeia em torno do Japão, num projecto cujos resultados mostram os evidentes benefícios da cooperação bibliotoeca\escolas, aproveitamos para convidar todos os que ainda não nos vieram visitar, que ofaçam até à próxima 3ª-feira.
Se desejar visita guiada ainda poderá fazer a sua marcação através do 269450080.


Deixe-se conquistar!

Etiquetas:

quarta-feira, 5 de março de 2008
Ilustre Desconhecido: Primo Levi


Autor de um dos mais importantes livros de memórias do século XX (Se Isto É Um Homem), Primo Levi foi igualmente um dos mais destacados escritores italianos.

Detentor de uma capacidade narrativa única, conseguiu aliar de forma fenomenal as suas experiências pessoais com a sua capacidade de produção literária. De origem judaica, Primo Levi foi enviado para o Campo de Concentração de Auschwitz em 1944, tendo conseguido sobreviver, deixando-nos impressionantes relatos desta sua experiência que o marcaria profundamente.

De tal forma que aquando da sua morte, quase quarenta anos depois, muito se especulou sobre se terá cometido suicídio ou não, nunca se chegando a apurar a verdade.

As suas considerações sobre a condição humana ainda hoje constituem poderosos documentos capazes de nos fazer pensar sobre um dos mais trágicos acontecimentos do século XX.
Para que a história não se repita...
Livros de Primo Levi disponíveis na sua Biblioteca:
Se Isto é um Homem
Se não agora, quando?
O Sistema Periódico

Etiquetas:

terça-feira, 4 de março de 2008
Semana da Leitura
Numa altura em que a Exposição de Bonecas Japonesas centra grande parte das atenções dos funcionários da Biblioteca, a promoção da leitura continua a desenvolver-se a bom ritmo.



Desta feita, participámos de forma activa na Semana da Leitura na EB 2/3 D. Jorge de Lencastre através de uma acção baseada nos 10 princípios inalienáveis do Leitor de Daniel Pennac.



Tendo a participação dos alunos sido bastante importante para o bom funcionamento da iniciativa, a acção centrou-se no desmitificar do livro enquanto objecto que deve cada vez mais fazer parte do nosso quotidiano.


Etiquetas:

segunda-feira, 3 de março de 2008
Novidades Livros



PINHEIRO, Pedro
Encontro com Rita Hayworth
82 LP-2 PNH
PEREIRA, Silvina
Alegre campanha
82 LP-2 PRR

SEBILLE-LOPEZ, Philippe
Geopolíticas do petróleo
327 LPZ

AMARAL, Isabel Ricardo
Os guerreiros da luz e a batalha final
82 LP-311.3 MRL (Juv.)


GIBBINS, David
O ouro dos cruzados
82 LE-3 GBB


HUYSMANS, Joris-Karl
A catedral
82 LE-3 HYS


DUNNE, Catherine
Cartas de uma mãe
82 LE-3 DNN


MATEUS, Maria Helena Mira
Norma e variação
811 MTS


DICKINSON, Peter
A corda do tempo
82 LE-3 DCK

Etiquetas: