blogspot visitor counter
Biblioteca Municipal de Grândola
Biblioteca Municipal de Grândola
Rua Dr. José Pereira Barradas 7570-281 Grândola tlf:269450080 fax:269498666 biblioteca@cm-grandola.pt
segunda-feira, 30 de setembro de 2013
Novidades Livros

AMARAL, Bento
Sobreviver
82 LP-3 MRL



LAUB, Michel
Diário da Queda
82 LE-3 LUB



WALT DISNEY ENTERPRISES
Winnie ensina-me a amizade
82 LE-34 (Inf)



Etiquetas:

sexta-feira, 27 de setembro de 2013
Bom Fim de Semana

António Ramos Rosa (17/10/1924 - 23/09/2013)

Desenho a grafite de Helder de Carvalho



Bom Fim de Semana

Etiquetas:

Poema da Semana
Não Posso Adiar o Amor

Não posso adiar o amor para outro século
não posso
ainda que o grito sufoque na garganta
ainda que o ódio estale e crepite e arda
sob montanhas cinzentas
e montanhas cinzentas

Não posso adiar este abraço
que é uma arma de dois gumes
amor e ódio

Não posso adiar
ainda que a noite pese séculos sobre as costas
e a aurora indecisa demore
não posso adiar para outro século a minha vida
nem o meu amor
nem o meu grito de libertação

Não posso adiar o coração

António Ramos Rosa, in "Viagem Através de uma Nebulosa"

Etiquetas:

Lançamento do Livro "Onde o sol não chega" de Paula Rodrigues - Centro de Ciência Viva (Lousal)
quinta-feira, 26 de setembro de 2013
Noite Europeia dos Investigadores - O Futuro em 2020 - Escola Secundária António Inácio da Cruz
Filme da Semana

Guia para um final feliz

um filme de

David O. Russell


"A vida nem sempre corre de acordo com o esperado. Pat Solatano (Bradley Cooper) perdeu tudo - a casa, o trabalho e a mulher. Depois de ter passado oito meses numa instituição estatal, encontra-se a viver de novo em casa dos pais (Jacki Weaver e Robert DeNiro). Pat está determinado a reconstruir a sua vida, a conseguir manter-se optimista e, apesar das circunstâncias difíceis da separação, a reconciliar-se com a sua mulher. Tudo o que os seus pais desejam é que ele recomponha a sua vida - e que partilhe com eles a obsessão familiar com o clube Philadelphia Eagles. 
As coisas complicam-se quando Pat conhece Tiffany (Jennifer Lawrence), uma misteriosa e problemática mulher, com os seus próprios problemas. Tiffany oferece-se para ajudar Pat a reconquistar a mulher, mas em troca ele terá de fazer algo muito importante para ela. Este acordo acaba por estabelecer uma inesperada ligação entre os dois e acontecimentos felizes começam a surgir na vida de ambos."

Vencedor do Óscar da Academia para Melhor Actriz - Jennifer Lawrence

Etiquetas: ,

quarta-feira, 25 de setembro de 2013
Livro da Semana

A verdade sobre o caso Harry Quebert

de

Joël Dicker


"Verão de 1975, Aurora. Nola Kellergan, uma jovem de quinze anos, desaparece misteriosamente da pequena vila costeira de Nova Inglaterra. As investigações são inconclusivas.

Primavera de 2008, Nova Iorque. Marcus Goldman, jovem escritor, vive atormentado por uma crise de página em branco, depois de o seu primeiro romance ter tido um sucesso inesperado. Sente-se incapaz de escrever, e o prazo para entregar o novo romance expirará dentro de poucos meses.

Junho de 2008, Aurora. Harry Quebert, professor universitário e um dos escritores mais respeitados do país, é preso e acusado de assassinar Nola Kellergan, depois de o cadáver da rapariga ser descoberto no seu jardim.

Alguns meses antes, Marcus, amigo e discípulo de Harry, descobrira que o professor vivera um romance com Nola, pouco antes do desaparecimento da jovem. Convencido da inocência de Harry, Marcus abandona tudo e parte para Aurora para conduzir a sua própria investigação. O objectivo é salvar a sua carreira, escrevendo um livro sobre o caso mais quente do ano, e dar a resposta à incógnita que inquieta toda a América:

Quem matou Nola Kellergan?"



Grande Prémio de Romance da Academia Francesa
Prémio Goncourt des Lycéens
Prémio da Revista Lire para o melhor Romance em língua francesa




Etiquetas:

terça-feira, 24 de setembro de 2013
Morreu António Ramos Rosa (17/10/1924 - 23/09/2013)

António Ramos Rosa (17/10/1924 - 23/09/2013)



Nascimento último 

Como se não tivesse substância e de membros apagados.
Desejaria enrolar-me numa folha e dormir na sombra.
E germinar no sono, germinar na árvore.
Tudo acabaria na noite, lentamente, sob uma chuva densa.
Tudo acabaria pelo mais alto desejo num sorriso de nada.
No encontro e no abandono, na última nudez,
respiraria ao ritmo do vento, na relação mais viva.
Seria de novo o gérmen que fui, o rosto indivisível.
E ébrias as palavras diriam o vinho e a argila
e o repouso do ser no ser, os seus obscuros terraços.
Entre rumores e rios a morte perder-se-ia.

António Ramos Rosa, in "Antologia Poética"


Etiquetas: ,

segunda-feira, 23 de setembro de 2013
Exposição "Azinheira de Barros 500 anos 25 postais"
A Exposição "Azinheira de Barros 500 anos 25 postais" inaugurou no dia 13 de Setembro e estará patente ao público até ao dia 30, com o horário da Biblioteca Municipal.










Etiquetas: ,

Novidades Livros

VIEIRA, Joaquim
Mário Soares: uma vida
929 SOA VRA



KINNEY, Jeff
O Diário de um Banana: O Emplastro
82 LE-3 KNN (Juv)



SALDANHA, Ana
Texas: uma aventura no Faroeste
82 LP-311.3 SLD (Juv)




Etiquetas:

sexta-feira, 20 de setembro de 2013
Bom Fim de Semana

Pablo Neruda (12/07/1904 - 23/09/1973)


BOM FIM DE SEMANA

Etiquetas:

Poema da Semana
Não Me Sinto Mudar 

Não me sinto mudar. Ontem eu era o mesmo.
O tempo passa lento sobre os meus entusiasmos
cada dia mais raros são os meus cepticismos,
nunca fui vítima sequer de um pequeno orgasmo

mental que derrubasse a canção dos meus dias
que rompesse as minhas dúvidas que apagasse o meu nome.
Não mudei. É um pouco mais de melancolia,
um pouco de tédio que me deram os homens.

Não mudei. Não mudo. O meu pai está muito velho.

As roseiras florescem, as mulheres partem
cada dia há mais meninas para cada conselho
para cada cansaço para cada bondade.

Por isso continuo o mesmo. Nas sepulturas antigas
os vermes raivosos desfazem a dor,
todos os homens pedem de mais para amanhã
eu não peço nada nem um pouco de mundo.

Mas num dia amargo, num dia distante
sentirei a raiva de não estender as mãos
de não erguer as asas da renovação.

Será talvez um pouco mais de melancolia
mas na certeza da crise tardia
farei uma primavera para o meu coração.

Pablo Neruda, in "Cadernos de Temuco"

Etiquetas:

"... DE CARAS" Exposição de Pintura de Fernando Martins
Dia 13 de Setembro, na Biblioteca Municipal,  inaugurou a Exposição de Pintura "... DE CARAS", de Fernando Martins, que irá estar patente ao público até dia 5 de Outubro, com o horário da Biblioteca.










Etiquetas: ,

quinta-feira, 19 de setembro de 2013
Ruínas Romanas de Tróia - Jornadas Europeias do Património

Etiquetas:

Filme da Semana

Temos de falar sobre Kevin

um filme de 

Lynne Ramsay


"Eva (Tilda Swinton) coloca as suas ambições e carreira de parte para dar à luz Kevin. A relação entre mãe e filho revela-se difícil desde os primeiros anos. Quando Kevin tem 15 anos faz algo irracional e imperdoável aos olhos da comunidade. Eva luta contra os seus próprios sentimentos de dor e responsabilidade: terá alguma vez amado o seu filho? E quanto do que Kevin fez foi sua culpa?
Baseado no bestseller de Lionel Shriver e realizado pela aclamada cineasta Lynne Ramsey, Temos de falar sobre Kevin é um thriller emocional protagonizado pela Oscarizada Tilda Swinton, pelo nomeado para Oscar John C. Reilly e Ezra Miller."

Etiquetas: ,

Ciclo de Conversas - Estado Social: Que mudanças?
No dia 14 de Setembro realizou-se, no Auditório da Biblioteca Municipal, a primeira sessão do Ciclo de Conversas, com o tema "Estado Social: Que Mudanças" , que contou com a participação do Professor José Fontes, Docente do Departamento de Ciências Sociais e de Gestão da UAb e com o Dr. Ventura Leite, Economista e Secretário Executivo da CIMAL.
A próxima Conversa terá lugar no dia 24 de Outubro e será subordinada ao tema "Igualdade de Género: Perspetiva Masculina".









Etiquetas:

quarta-feira, 18 de setembro de 2013
Livro da Semana

Adeus, Berlim

de

Wolfgang Herrndorf


"Dois amigos. Um velho carro roubado. E um verão que mudará as suas vidas para sempre. Um livro de culto.

Maik Klingenberg ficou sozinho em casa naquelas férias e, sem nada para fazer, sente-se absolutamente entediado. É então que Tschick aparece num velho jipe roubado. Estudam ambos na mesma escola e na mesma turma mas, por razões diversas, são ambos postos de parte pelos colegas. É então que decidem partir completamente à aventura para a Valáquia, no Sul da Alemanha. Ambos têm 14 anos e a sua busca é determinada pelo desejo de experimentarem uma liberdade absoluta. A viagem, bastante atribulada, vai tecer entre ambos uma indestrutível amizade. Adeus, Berlim é um romance tão divertido quanto comovente já foi comparado a obras como As Aventuras de Huckelberry Finn, de Mark Twain e Uma Agulha no Palheiro, de J. D. Salinger."

Etiquetas:

terça-feira, 17 de setembro de 2013
É a cultura, ex-estúpido!
   O mundo tal como o conhecemos, pode terminar. O que não é necessariamente mau, sobretudo se pensarmos que a Brandoa faz parte do mundo. A causa do apocalipse é esta: o Público divulgou um estudo segundo o qual a cultura tem mais peso na economia europeia do que o sector automóvel. Não creio que Portugal contribua muito para isso, até porque, por coincidência , a altura em que nós, enquanto povo, demonstramos mais cabalmente que não temos cultura nenhuma é quando estamos ao volante de um automóvel. Além disso, há muito mais gente com automóvel, em Portugal, do que com qualquer coisa a que possamos chamar de cultura. Mas este estudo terá uma consequência que vai abalar as fundações da nossa sociedade: se a cultura dá dinheiro, acabou o problema dos subsídios. Quando um sector de actividade dá dinheiro, pára de receber subsídios. Recebe dinheiro na mesma, até mais do que recebia, mas deixa de se chamar subsídio. Passa a chamar-se «investimento», ou «incentivo fiscal», ou «apoio financeiro ao crescimento da produtividade».
   Mais: as mesmas almas que hoje clamam contra o escândalo dos subsídios que o Estado oferece de mão beijada a essa cáfila de gente mal lavada a que se convencionou chamar «artistas» hão-de clamar contra o desprezo a que o Estado vota um grupo de heróis que tanto contribui para a nossa economia, e que se chama, com letra grande, Artistas (embora muitos deles continuem a estar mal lavados).
   Há-de haver histórias de cantores, actores e bailarinos infelicíssimos, que sonharam ser advogados mas foram obrigados pelos pais a enveredar por uma carreira artística, apenas porque dá mais dinheiro. Escritores, pintores e músicos frustrados que não puderam singrar como empregados de escritório por causa da tirania de progenitores gananciosos.
   Há-de haver patos-bravos a comprar editoras e a encomendar aos escritores dois quilos de romance, duzentos gramas de poesia e meio quilo de ensaios, porque parece que aquilo rende mais que comercializar Mercedes em leasing.
   O problema é que, mal se confirme que a cultura dá dinheiro, há artistas que vão querer mudar de actividade. Certos artistas têm do dinheiro uma opinião muito negativa, em parte provocada pela pouca convivência que têm com ele. Se privassem mais com o dinheiro, estou certo de que aprenderiam a apreciá-lo. Para certos artistas, há uma incompatibilidade irresolúvel entre o sucesso financeiro e a verdadeira arte. Quando souberem que a cultura está à frente dos carros na economia europeia, alguns dos nossos artistas, num gosto carregado de significado artístico, vão procurar emprego num stand da Renault.
   Dito isto, espero ter ofendido certos economistas parolos e certos artistas pedantes. Quando comem todos, é mais bonito.

Ricardo Araújo Pereira, in "Boca do Inferno"

Etiquetas:

segunda-feira, 16 de setembro de 2013
Novidades Livros

TOWNSEND, Sue
A mulher que decidiu passar um ano na cama
82 LE-3 TWN



DICKER, Joël
A verdade sobre o caso Harry Quebert
82 LE-3 DCK



Kinney, Jeff
O Diário de um Banana: o emplastro
82 LE-3 KNN



Etiquetas:

sexta-feira, 13 de setembro de 2013
Bom fim-de semana
Ilustração de Gémeo Luís

Os funcionários da Biblioteca desejam a todos os utilizadores um agradável fim-de-semana.
Poema da Semana
Papagaio

Há palavras
feitas p'ra voar
num céu de Maio.

Leves palavras
ao colo do vento,
construídas
com o papel
colorido
dos teus sonhos.

Tomas uma
e soltas o fio
que a prende
à tua mão.

E a palavra
ganha asas, eleva-se no ar
com o seu longo
ditongo
voador.

Até encontrar,
no mais alto
de ti mesmo,
um lugar
imenso
para morar.

João Pedro Méssede in "Palavra que voa"

Etiquetas: ,

quinta-feira, 12 de setembro de 2013
Convite para inauguração da exposição "... DE CARAS"

Etiquetas: ,

Filme da Semana
00:30 a hora negra

filme realizado por
Kathryn Bigelow

"A caça a Osama Bin Laden inquietou o mundo e dois Governos Americanos durante mais de uma década. Mas, no final, foi uma pequena e dedicada equipa de operacionais da CIA que conseguiu localizar. Cada pormenor da missão foi preparado no mais completo segredo.
Embora alguns dos detalhes tenham sido, entretanto, tornados públicos, grande parte dos aspetos mais relevantes desta operação - incluindo o papel central desempenhado pela equipa - são agora trazidos pela primeira vez para o grande ecrã de forma subtil e envolvente pela dupla criativa vencedora de três Óscares com Estado de Guerra: Kathryn Bigelow e Mark Boal."

Etiquetas: ,

quarta-feira, 11 de setembro de 2013
Convite para a exposição "500 ANOS 25 POSTAIS AZINHEIRA DE BARROS"


Etiquetas: ,

Livro da Semana

A primeira mestiça

de
Álvaro Vargas Llosa

"Nesta obra arrebatadora e apaixonante, Álvaro Vargas Llosa leva o leitor a sentir o bater do coração de Francisca, filha mestiça de Pizarro, fruto do seu amor pela princesa inca Inés Huaylas.
Quase como um confidente, Vargas Llosa ajuda-nos a desvendar o que a Francisca sentia no seu íntimo enquanto, no mundo exterior, acontecimentos importantes se iam desenrolando na História de Espanha: a conquista do Peru, as divisões no seio dos povos nativos e os confrontos entre os próprios conquistadores."

Etiquetas:

terça-feira, 10 de setembro de 2013
CICLO DE CONVERSAS

Etiquetas:

Rir com dentes alheios
No final dos anos oitenta, a minha amiga Francelina, viúva há muitos anos, já tinha passado dos setenta, quando uma sua vizinha, cobiçando a sua bela dentadura, que lhe tinha custado um dinheirão, lha pediu emprestada para ir a um casamento mais composta porque, com o passar dos anos, os seus velhos dentes já tinham todos desaparecido e deixado um razoável espaço vazio entre os dois maxilares.
Francelina achou aquele pedido um tanto ou quanto fora do vulgar. Emprestar os dentes à sua vizinha, habitual companheira das notícias mais importantes do bairro e das tricas da última radionovela?! Ainda se fosse o tradicional raminho de salsa, ou até mesmo uma peça de vestuário, vá que não vá... Não lhe deu logo a resposta. Que tinha que pensar melhor. Que, como ainda faltavam duas semanas para o casório, logo lhe daria a resposta.
A outra insistiu nos dias seguintes, afirmando que sem a dentadura não iria ao casamento da sobrinha, que tanto empenho tinha mostrado na sua presença. Não queria fazer-lhe a desfeita de não comparecer na cerimónia matrimonial, e ainda por cima iria estar presente um pretendente à sua mão. Queria naturalmente fazer boa figura e aspirar ainda um final de vida bem mais confortável do que aquele em que a deixara o seu Manel há quinze anos. 
Para atingir esse objectivo, a vizinha estava disposta a tudo fazer, mesmo a sujeitar-se a pedir o «teclado» emprestado à Francelina. O pretendente era igualmente viúvo e o dono de uma casa onde nada faltava,
pelo que não seria a falta de um belo sorriso "pepsodent" que iria impedir a concretização do seu sonho.
Faltavam dois dias para o casório da sobrinha, quando finalmente Francelina, não resistindo mais à pressão da vizinha, acedeu a emprestar-lhe a dentadura apenas pelo tempo que durasse a cerimónia e o copo de água.
A vizinha tranquilizou-a, reafirmando pela vigésima vez que iria ter o máximo cuidado com o «teclado» da Francelina e que o devolveria no regresso a casa depois de lavado com água e lixívia.
O dia do casamento passou sem que Francelina recuperasse a sua preciosa dentadura. Nessa noite não pôde dar o habitual olhar aos seus belos dentes, brilhando dentro do copo de água na mesa-de-cabeceira, antes de desligar a luz e de se deixar adormecer.
No dia seguinte, correu para casa da vizinha mal o sol nasceu, mas da vizinha nem rasto. Não lhe pôs o olho em cima nas duas semanas seguintes, tendo emagrecido meia dúzia de quilos por lhe faltarem os seus queridos dentes. Maldisse dezenas de vezes a hora em que cedeu aos pedidos constantes daquela falsa amiga.
Mais um mês depois de tão triste acontecimento, numa bonita manhã de Primavera, quando já regressava do mercado municipal, onde fora comprar uns charrinhos para limar, deu de caras com a maldita vizinha que não lhe tinha devolvido a dentadura.
Cruzou-se com ela e, para seu espanto, viu-a rir-se para a sua cara, com os seus próprios dentes!.. Francelina não foi capaz de pronunciar uma única palavra, perante a desfaçatez daquela criatura, de quem outrora fora amiga.
Daí para a frente, segundo me disse, depois de ter comprado uma nova dentadura, nem o tradicional raminho de salsa dispensou às vizinhas, por mais chegadas que lhe fossem... Pudera!

Cristina Campos in "Histórias Devidas"

Etiquetas:

segunda-feira, 9 de setembro de 2013
Promoção de leitura em ambiente prisional
Novidades Livros
 FERRAZ, Carlos Vale
A mulher do legionário
82 LP-3 FRR

SPIOTTA, Dana
Destruir a prova
82 LE-3 SPT

MAGALHÃES, Ana Maria
Uma aventura no castelo dos três tesouros
82 LP-311.3 MGL (Juv.)

Etiquetas: