blogspot visitor counter
Biblioteca Municipal de Grândola
Biblioteca Municipal de Grândola
Rua Dr. José Pereira Barradas 7570-281 Grândola tlf:269450080 fax:269498666 biblioteca@cm-grandola.pt
sexta-feira, 29 de agosto de 2008
Jackson Pollack


Bom Fim-de-Semana a todos os utilizadores da Biblioteca Municipal de Grândola

Etiquetas:

Poema da Semana
Auto-retrato com versos de Camões

Foi-me tão cedo a luz do dia escura
enquanto me enganava a esperança
que naquilo em que pus tamanho amor
errei todo o discurso de meus anos

Pedro Mexia

Etiquetas:

quinta-feira, 28 de agosto de 2008
Livro da Semana

Depois do sucesso de Equador eis que 2008 conheceu o mais recente romance de Miguel Sousa Tavares: O Rio das Flores.

Relatando a vida de uma família alentejana (os Ribera Flores), esta é, igualmente, uma viagem pelo mais conturbado período político do nosso país. Desde os últimos anos da monarquia, passando pela conturbada 1ª República e até à afirmação de Salazar enquanto Presidente do Conselho.

Sempre repleto de mensagens subliminares, que criticam não só o rumo que Portugal levava na altura, como o que leva actualmente, O Rio das Flores é um romance histórico extremamente bem conseguido que concilia na perfeição os dados históricos com a saga de uma família, à boa maneira de Eça de Queirós.

Disponível na sua biblioteca em 82 LP-3 TVR

Etiquetas:

quarta-feira, 27 de agosto de 2008
Ilustre Desconhecido: Henri Michaux


Quando se fala em experimentalismo nas artes, o nome de Henri Michaux vem logo ao de cima.


O belga destacou-se nas mais diversas expressões artísticas, sobretudo na pintura e na literatura.


Tendo nascido em Namur em 1899, no seio de uma família extremamente conservadora, tentou destacar-se nos mais diversos domínios da arte, nunca tendo tido realmente sucesso em nenhum deles. Mas apesar disso, o pai não o deixou seguir uma carreira monástica.


Contudo, a sua "revolução" foi sobretudo a nível da produção artística sobre o efeito de drogas e a dimensão que as mesmas podem alcançar. Quando os pais começaram a criticar o seu estilo devida, mudou-se para Paris. Mesmo assim, as críticas continuaram a surgir, uma vez que várias pessoas manifestaram que ele não sabia produzir arte.


Mas a nível intelectual, despertou aatenção de alguns dos maiores vultos do seu tempo como Octavio Paz ou Andre Gide.


Apesar de se ter tornado cidadão francês, recusou o grande prémio das letras francesas.


Viria a morrer em Paris, a 17 de Outubro de 1984.
Livros de Henri Michaux disponíveis na sua biblioteca:
Estou a escrever-te de um país distante
O País da Magia

Etiquetas:

segunda-feira, 25 de agosto de 2008
Novidades Livros

KAHN, Michèle
Salomão e a Rainha do Sabá
82 LE-3 KHN

AMARAL, Domingos
Já ninguém morre de amor
82 LP-3 MRL

CASTEL-BRANCO, Luísa
Alma e os mistérios da vida
82 LP-3 BRN

HOUGAN, Jim
A Cifra de Madalena
82 LE-3 HGN

TOSCHES, Nick
A mão de Dante
82 LE-3 TSC

CORIEL, Maria
O livro perdido de Camões
82 LP-3 CRL




TZANNES, Robin
As poções secretas da Professora Parassalsa
82 LE-34 TZN (Inf)

GUIMARÃES, Teresa
A Floresta Perlimpimpim
82 LP-34 GMR (Inf)

PESSOA, Fernando,
Poesia de Fernando Pessoa para todos
82 LP-1 PSS (Inf)

CONTUMELIAS, Mário
A verdadeira história de… O Areias
82 LP-34 CNT (Inf)

Etiquetas:

sexta-feira, 22 de agosto de 2008
Bom Fim-de-Semana
Lovers in Moonlight
Marc Chagall

Bom Fim-de-Semana a todos os utilizadores da Biblioteca Municipal de Grândola


Poema da Semana
Soneto da Lua

Por que tens, por que tens olhos escuros
E mãos lânguidas, loucas, e sem fim
Quem és, quem és tu, não eu, e estás em mim
Impuro, como o bem que está nos puros ?

Que paixão fez-te os lábios tão maduros
Num rosto como o teu criança assim
Quem te criou tão boa para o ruim
E tão fatal para os meus versos duros?

Fugaz, com que direito tens-me pressa
A alma, que por ti soluça nua
E não és Tatiana e nem Teresa:

E és tão pouco a mulher que anda na rua
Vagabunda, patética e indefesa
Ó minha branca e pequenina lua !

Vinicios de Morais
(1913- 1980)

Etiquetas:

quinta-feira, 21 de agosto de 2008
Livro da Semana

Numa altura em que se fala cada vez mais do aquecimento global, a sensiblização deve começar cada vez mais nos mais novos.

Disso é prova o mais recente livro de Isabel Martins. A Grande Invasão constitui um alerta para todos nós e para o caminho que a nossa sociedade está a tomar. Mais do que uma mensagem ecológica, este livro constitui um aviso para todos os adultos que usam cada vez mais o carro para percorrer distâncias cada vez mais irrisórias. Uma mão na consciência, que serve para todos nós e que devíamos adoptar de forma a que possamos juntos fazer deste mundo um lugar nelhor para se viver.





Disponível na sua biblioteca em 82 LP-34 MRT (Inf.)

Etiquetas:

quarta-feira, 20 de agosto de 2008
Ilustre Desconhecido: Luigi Pirandello


Nascido a 28 de Junho de 1867 na aldeia siciliana de Kaos, Luigi Pirandello foi um dos mais destacados dramaturgos italianos.

Embora tenha nascido num meio pobre, Pirandello cresceu num meio privilegiado, tendo feito a sua educação primária em casa. O seu desejo de prosseguir estudos fê-lo viver imensas aventuras ao longo da vida, já que adiou o seu casamento com uma prima durante 11 anos, até acabar o seu doutoramento na Alemanha.

Uma vez regressado a Itália consumou o casamento, passando a viver um verdadeiro inferno, pois ela usava frequentemente violência física para expiar os seus ciúmes.

Sempre bastante activo a nível político, a sua fama enquanto escritor foi crescendo até atingir um género de consagração, sobretudo depois de ter conseguido internar a mulher num hospício.

Foi então que conseguiu conquistar o Prémio Nobel em 1934, vindo a morrer dois anos passados, completamente sozinho.


Disponível na sua biblioteca:


Um, Nenhum, Cem em 82 LE-3 PRN

Etiquetas:

terça-feira, 19 de agosto de 2008
Blogue de José Saramago
Numa época em que se questiona cada vez mais a importância das novas tecnologias e o seu impacto na actual sociedade, eis que o nosso Nobel da Literatura também já tem um blogue.
Embora seja actualizado pela sua mulher e em nome da sua Fundação, que recentemente se hospedou na Casa dos Bicos em Lisboa.
Seja como for, não deixa de ser um importante indicativo da importância das novas tecnologias e de como é importante manter-nos actualizados para não cairmos no esquecimento.
Pode ler o blogue aqui
segunda-feira, 18 de agosto de 2008
Novidades Livros


ENTEKHABIFARD, Camélia
O Preço da Liberdade
929 ENT NTK

SINCLAIR, Marc
A conspiração Da Vinci
82 LE-3 SNC

SARAIVA, José Manuel
Rosa Brava
82 LP-3 SRV

COETZEE, J. M.
O Homem Lento
82 LE-3 CTZ

FERREIRA, Vergílio
Contos
82 LP-3 FRR


CABANAS, António
O Ladrão de Túmulos
82 LE-3 CBN

CHAVIANO, Daína
A Ilha dos Amores Infinitos
82 LE-3 CHV




MANNING, Russ
Tarzan
82-9 MNN




MARTINS, Isabel Minhós
O meu vizinho é um cão
82 LP-34 MRT (Inf)

MARTINS, Isabel Minhós
Coração de mãe
82 LP-34 MRT (Inf)

MARTINS, Isabel Minhós
Quando eu nasci
82 LP-34 MRT (Inf)

Etiquetas:

quinta-feira, 14 de agosto de 2008
Bom Fim-de-Semana
Salvador Dalí
Os Funcionários da Biblioteca Municipal desejam-lhe um bom feriado e fim-de-semana
Poema da Semana
Fiz um conto para me embalar

Fiz com as fadas uma aliança.
A deste conto nunca contar.
Mas como ainda sou criança
Quero a mim própria embalar.

Estavam na praia três donzelas
Como três laranjas num pomar.
Nenhuma sabia para qual delas
Cantava o príncipe do mar.

Rosas fatais, as três donzelas
A mão de espuma as desfolhou.
Nenhum soube para qual delas
O príncipe do mar cantou.

Natália Correia

Etiquetas:

Livro da Semana


Uma das mais enigmáticas e fascinantes escritores britânicas, escreveu em 1928 o seu mais famoso livro: Orlando.
Relatando-nos a fascinante vida de Orlando, cujo sexo varia ao longo dos séculos que dura a sua vida, somos constantemente introduzidos a alguns dos mais sonantes e brilhantes nomes da literatura inglesa começando, inevitavelmente, pelo período isabelino.
Mais do que o relato de uma vida, Orlando é o relato feroz de toda uma cultura que estava aconhecer em 1928, um dos seus expoentes máximos através do surgir do movimento modernista, do qual Virginia Woolf fez parte.
Disponível naq sua biblioteca em 82 LE-3 WLF

Etiquetas:

quarta-feira, 13 de agosto de 2008
Ilustre Desconhecido: Albert Uderzo


Albert Uderzo nasceu em Fimes, França, a 25 de Abril de 1927.

Aquando da II Guerra Mundial, a família teve que abandonar Paris, tendo-se instalado na Bretanha. Esta zona teria uma enorme importância na carreira de Uderzo, uma vez que, aquando da eleição da zona onde seria localizada a aldeia gaulesa de Astérix, esta foi a eleita.

Contudo, Astérix não foi a sua primeira criação.

Tendo começar a criar depois do fim da II Guerra, a sua carreira conheceria um enorme impulso quando conheceu René Goscinny em 1951. A partir do momento em que começaram a trabalhar juntos, Uderzo conseguiu pôr algumas personagens suas na famosa obra de Hergé Tintim .

Contudo, só em 1961 é que foi publicado o primeiro Astérix: Astérix, o Gaulês.

Iniciou então um ritmo alucinante de publicação, editando 2 livros por ano, tornando-se progressivamente num dos maiores criadores de Banda Desenhada do século XX. Mesmo depois da morte de Goscinny continuou a ilustrar livros do Astérix.

Etiquetas:

terça-feira, 12 de agosto de 2008
Cartas na mesa

Caro Serafim,


Há uma coisa de que não me podem acusar:
quando editor, sempre procurei ajudar os mais novos, quer publicando-os quer negando resolutamente editá-los. Em qualquer caso, fazendo uma opção crítica. Sendo sempre leal. Enganei-me, é certo, nalguns livros ou nalguns tipos. Mas pesando bem, o balanço é a meu favor; confesso: contra o que ainda outro dia me escreveu o Cesariny, continuo a considerar a minha obra de editor muito e muito acima das minhas larachas de escriba. E tentarei retomá-la em breve (venho agora da tipografia) até por uma razão: com raras excepções a edição portuguesa está a girar num desvairamento, aldrabice e confusão muito de arrepiar. E mau-gosto (literário, gráfico) nem se fala.
V. creio que pertence a uma outra geração (se é o rapaz que julgo). Aí pelos trinta, ou menos. Uma «décalage» de dez anos já conta nas aspirações e nas marcas do tempo; não importa é para os elos que a mútua sinceridade e aceitação crítica possam merecer. Quando atrás disse que V. exagerara no seu artigo, lamentava implicitamente que ele não me tivesse esclarecido sobre essa «décalage», não que esta seja intransponível, invencível, mas porque algo haverá que V. já não sinta, nem acate, como eu sinto e acato. Isto é: assim não aprendo consigo. Faça-me uma crítica mais feroz para a próxima. E para já, um abraço forte do
Luiz Pacheco.

Etiquetas:

segunda-feira, 11 de agosto de 2008
Novidades Livros


BOCCACCIO, Giovanni
Histórias Eróticas
82 LE-3 BCC

TCHEKOV, Anton
A minha mulher
82 LE-3 TCH

PINTO, Margarida Rebelo
Português Suave
82 LP-3 PNT

COUTO, Mia
Venenos de Deus, remédios do Diabo
82 LPA-3 CTO

OSTERGREN, Klas
Gentlemen
82 LE-3 STR

FETJAINE, Jean-Louis
As Rainhas de Purpúra
82 LE-3 FTJ



Peter Pan
82-9 (Inf)

ARDALAN, Haydé
Eu, Milton
82 LE-34 RDL (Inf)


Etiquetas:

sexta-feira, 8 de agosto de 2008
Bom Fim-de-Semana

Os Funcionários da Biblioteca Municipal desejam-lhe um bom fim-de-semana
Poema da Semana
QUERO UMA VIDA EM FORMA DE ESPINHA

Quero uma vida em forma de espinha
Num prato azul
Quero uma vida em forma de coisa
No fundo dum sítio sozinho
Quero uma vida em forma de areia nas minhas mãos
Em forma de pão verde ou de cântara
Em forma de sapata mole
Em forma de tanglomanglo
De limpa-cjaminés ou de lilás
De terra cheia de calhaus
De cabeleireiro selvagem ou de édredon louco
Quero uma vida em forma de ti
E tenho-a mas ainda não é bastante
Eu nunca estou contente

Boris Vian

Etiquetas:

quinta-feira, 7 de agosto de 2008
Livro da Semana


Embora tenha sido publicado em 2001, Expiação conheceu em 2007 uma nova promoção graças à adaptação cinematográfica de Joe Wright ao romance de Ian McEwan.

Possivelmente já muitos terão visto o filme, mas não há nada como ler o livro.

As personagens adquirem uma profundidade psicológica ainda maior e o leitor é arrastado por um louco seguimento de sensações à medida que a trama se vai revelando, com contornos nunca muito claros e sempre surpreendentes.

E tudo isto, claro está, com a mestria única de um dos mais sonantes da literatura britânica da actualidade: Ian Mc Ewan.

Disponível na sua bilioteca em 82 LE-3 MCW

Etiquetas:

quarta-feira, 6 de agosto de 2008
Ilustre Desconhecido: Virginia Woolf

Uma das mais importantes escritores britânicas foi igualmente umas mais polémicas.

Virginia Woolf nasceu em Londres a 25 de Janeiro de 1882 num meio privilegiado, sendo filha de Leslie Stephen, um importante editor da época.

Em 1912 casou-se com Leonard Woolf, com quem funda a Hogarth Press que viria a revelar ao mundo alguns dos mais importantes escritores do século XX como Katherine Mansfield e o nobel T. S. Elliot. Fez ainda parte do famoso grupo Bloomsbury que foi um dos mais importante impulsionadores do modernismo em Inglaterra e a quebra para com os paradigmas vitorianos.

A sua maturidade intelectual e forma como perspectiva o nosso subconsciente transformaram-na num dos vultos maiores da cultura mundial da primeira metade do século XX.

Com grande tendência para depressões, viria a suicidar-se em 1941, deixando a seguinte carta de despedida para o seu marido:


Querido,
Tenho certeza de estar a ficar louca novamente. Sinto que não conseguiremos passar por novos tempos difíceis. E não quero revivê-los. Começo a ouvir vozes e não me consigo concentrar. Portanto, estou a fazer o que me parece ser o melhor a fazer. Deste-me muitas possibilidades de ser feliz. Estiveste presente como nenhum outro. Não creio que duas pessoas possam ser felizes a conviverem com esta doença terrível. Não posso mais lutar. Sei que estarei a tirar um peso das tuas costas, pois, sem mim, poderás trabalhar. E vais, eu sei. Como vês, não consigo sequer escrever. Nem ler. Enfim, o que quero dizer é que depositei em ti toda a minha felicidade. Sempre foste paciente comigo e incrivelmente bom. Eu queria dizer isto - todos sabem. Se alguém me pudesse salvar, esse alguém serias tu. Tudo se foi para mim mas o que ficará é a certeza da tua bondade. Não posso arruinar a tua vida. Não mais.
Não acredito que duas pessoas poderiam ter sido tão felizes quanto nós fomos.
V.
terça-feira, 5 de agosto de 2008
Biblioteca no Jardim
No dia 26 de Julho houve novamente Teatro de Marionetas na Biblioteca no Jardim. A peça chamava-se "O Lixo do Sr. Bartolomeu" e foi apresentada pelo Grupo Era uma Vez Teatro de Marionetas.











No dia 2 de Agosto, num horário diferente, foi a vez do Grupo Minimundo apresentar um espectáculo de Robertos.











Este ano já não haverá mais espectáculos, mas aproveitamos para informar que a Biblioteca no Jardim continua aberta até dia 8 de Agosto, das 10H00 às 13H00, e que o Pedro Lopes todas as manhãs conta uma História para quem quiser ouvir.
Da Biblioteca no Jardim nos despedimos até para o ano que vem.

Etiquetas:

segunda-feira, 4 de agosto de 2008
Novidades da Semana


MAIO, Eduarda
Sócrates: O Menino de Ouro do PS
929 SOC MIO

CALMAN, Stephanie
Confissões de uma mãe desnaturada
82 LE-3 CLM

O’NEILL, Alexandre
Já cá não está quem falou
82 LP-3 NLL

STILWELL, Isabel
Filipa de Lencastre: A Rainha que mudou Portugal
82 LP-3 STL




ALDRICH, Thomas Bailey
A História de um Rapaz Mau
82 LE-311.3 LDR (Juv)

SHONE, Rob
Alexandre, o Grande: A vida de um Rei e Conquistador
82-9 SHN (Juv)
MARTINS, Isabel
Um livro para todos os dias
82 LP-34 MRT (Inf)

ARDALAN, Haydé
Mas afinal onde é que se meteu o Milton?
82 LE-34 RDL (Inf)

Etiquetas:

sexta-feira, 1 de agosto de 2008
Bom Fim-de-Semana
"Bocage e as Ninfas"
Óleo de Fermando Santos
Os Funcionários da Biblioteca Municipal de Grândola desejam a todos os utilizadores um bom fim-de-semana
Poema da Semana
Meu ser evaporei na lida insana

Meu ser evaporei na lida insana
Do tropel de paixões, que me arrastava;
Ah! Cego eu cria, ah! Mísero eu sonhava
Em mim quase imortal a essência humana:

De que inúmeros sóis a mente ufana
Existência falaz me não dourava!
Mas eis sucumbe Natureza escrava
Ao mal, que a vida em sua orgia dana.

Prazeres, sócios meus, e meus tiranos!
Esta alma, que sedenta em si não coube,
No abismo vos sumiu dos desenganos:

Deus, oh Deus!... Quando a morte à luz me roube
Ganhe um momento o que perderam anos,
Saiba morrer o que viver não soube.

Manuel Maria Barbosa du Bocage

Etiquetas: