blogspot visitor counter
Biblioteca Municipal de Grândola
Biblioteca Municipal de Grândola
Rua Dr. José Pereira Barradas 7570-281 Grândola tlf:269450080 fax:269498666 biblioteca@cm-grandola.pt
segunda-feira, 30 de junho de 2014
Exposição "Artistas da Ponte" - 1 a 22 de Julho

1 de Julho 2014 - 18H00

Biblioteca Municipal de Grândola


A Comunidade Terapêutica A Ponte celebrou no passado dia 9 de Junho o seu 17º Aniversário. 17 anos de muito trabalho, empenho, dedicação.
A título de comemoração do seu aniversário A Ponte organiza com a Biblioteca Municipal de Grândola a Exposição "Artistas da Ponte" que poderá visitar neste espaço municipal a partir de dia 1 de Julho até 22 de Julho, no horário de funcionamento da Biblioteca Municipal.

Etiquetas: , ,

Novidades Livros

MUNRO, Alice
Fugas
82 LE-3 MNR



CHOMSKY, Noam
Mudar o Mundo
327 CHM



LOPES, Luís Mário
Traição
82 LP-2 LPS


Etiquetas:

sexta-feira, 27 de junho de 2014
Bom Fim de Semana

Pintura de Katia Almeida


Bom Fim de Semana

Etiquetas:

Poema da Semana
PELO SONHO É QUE VAMOS

Pelo sonho é que vamos,
Comovidos e mudos.

Chegamos? Não chegamos?
Haja ou não haja frutos,
pelo sonho é que vamos.

Basta a fé no que temos
Basta a esperança naquilo
que talvez não teremos.
Basta que a alma demos,
com a mesma alegria,
ao que desconhecemos
e ao que é o dia a dia.

Chegamos? Não chegamos?
- Partimos. Vamos. Somos.

Chegamos? Não chegamos?
Haja ou não haja frutos.
Pelo sonho é que vamos.

Sebastião da Gama

Etiquetas:

quinta-feira, 26 de junho de 2014
Biblioteca Itinerante - Horário e Percurso - Julho
Filme da Semana

Paixão

um filme de

Brian de Palma


"PAIXÃO de Brian de Palma, um thriller erótico na linha de Vestida para matar e Instinto selvagem fatal, conta-nos a história de uma luta mortal pelo poder, entre duas mulheres, no agressivo mundo dos negócios. Christine (Rachel McAdams) possui uma elegância natural e a espontaneidade de quem tem uma relação saudável com o dinheiro e o poder.
Inocente, adorável e facilmente enganável é Isabelle (Noomi Rapace) a sua protegida, cheia de ideias inovadoras que Christine decide roubar sem qualquer escrúpulo. Afinal de contas, elas estão ambas na mesma equipa... Christine sente prazer em controlar a jovem Isabelle, conduzindo-a passo a passo num profundo jogo de sedução e manipulação, dominação e humilhação. Mas quando Isabelle acaba na cama com um dos amantes de Christine, começa uma guerra. Na noite do assassinato, Isabelle está no ballet, enquanto Christine recebe um convite à sedução. De quem? Christine adora surpresas. Ela vai nua ao encontro do amante misterioso que a espera no quarto..."

Etiquetas: ,

quarta-feira, 25 de junho de 2014
Cartaz de Cinema - Julho

Etiquetas: ,

Vivam as Férias - Verão * Julho e Agosto * 2014
Livro da Semana

Mil novecentos e setenta e cinco

de

Tiago Patrício

"Uma viagem improvável a uma aldeia do nordeste transmontano no ano de viragem de 1975, representada num romance por várias personagens que tentam recuperar formas de vida que estão a desaparecer, em contraste com um novo mundo que se impõe.

É um romance onde cabe tudo: amores tardios, mortes adiadas, fugas e regressos triunfais, infidelidades descobertas dentro de armários, alfaiates e coveiros desempregados, mulheres que lavam no ribeiro e rapazes que as espreitam, ferroviários, comerciantes e todos os deserdados e perseguidos que tentam subir as escadas dos antigos e dos novos proprietários.

Nesta viagem pelas longas paisagens transmontanas, entrecortadas por desvios súbitos e perigosos, tal como as antigas linhas de via da região, o leitor é conduzido pela mão de personagens que insultam e provocam gargalhadas na mesma frase, com um humor contagiante, que varia entre a temperança e a exaltação.

Leitura imperdível, de um autor vencedor do prémio Agustina Bessa-Luís, na qual se reconhecem as palavras de Miguel Torga: «O universal é o local sem muros.»"

Etiquetas:

terça-feira, 24 de junho de 2014
O pânico de cu azul
   "Falta um dia para o Verão. Todas as moscas e melgas nascem, voam e picam com o mesmo belprazer de que gozam há séculos. Mesmo assim há moscas e moscas. Há as chatas de sempre, cheias de energia e capazes de fazer slalom entre sucessivos golpes de jornal enrolado, que pousam na manteigueira só para a conspurcar.
   Depois há umas moscas estranhas, de cu verde ou azul, que zumbem esganiçadas de parede em parede. Inteiramente nojentas, estas primas afastadas de varejeiras são moscas que não sabem estar em casa.
São moscas selvagens. Não têm chá. Até as moscas têm medo delas. Quando entra um cu azul, espavorido, como se possesso, as moscas caseiras fogem janela fora. Algumas delas vão parar directamente aos bicos dos andorinhões em vôos rasantes. É preferível.
   As common house flies, para lhes dar o nome inglês, deixam-se matar, eventualmente. Havendo pontaria, persistência e vontade genuína de matar por parte do perseguidor humano, elas até se matam bem. Já as varejeiras tresloucadas - é isto que faz mais medo - nem sequer querem ficar em nossa casa. Entraram lá por engano em pleno shuttle entre dois esterqueiros. Estão assustadas («mas que raio de lugar é este, tão terrificamente limpo?») e isto leva-as à histeria.
   E a nós também, abrindo as janelas todas enquanto elas ressaltam nos vidros, estupidamente iludidas, ainda não tendo aprendido a diferença entre a aparência do ar e a do vidro, que é a primeira coisa que sabe uma mosca normal."

Miguel Esteves Cardoso, in "Público (20/06/2014)"

Etiquetas:

segunda-feira, 23 de junho de 2014
Novidades Livros

MARQUES, Teresa Martins
A mulher que venceu D. Juan
82 LP-3 MRQ



Feminae: Dicionário Contemporâneo
396



Etiquetas:

sexta-feira, 20 de junho de 2014
Bom Fim de Semana

José Saramago (16/11/1922 - 18/06/2010)



Bom Fim de Semana para todos
Poema da Semana
«HÁ-DE HAVER...»

Há-de haver uma cor por descobrir,
Um juntar de palavras escondido,
Há-de haver uma chave para abrir
A porta este mundo desmedido.

Há-de haver uma ilha ais ao sul,
Uma corda mais tensa e ressoante,
Outro mar que nade noutro azul,
Outra altura de voz que melhor cante.

Poesia tardia que não chegas
A dizer nem metade do que sabes:
Não calas, quanto podes, nem renegas
Este corpo de acaso em que não cabes.

José Saramago, in "Os poemas possíveis"

Etiquetas:

"A pequena sereia"
 ANIMAÇÃO DO LIVRO E DA LEITURA PARA TODOS

 A pequena sereia ansiosa por conhecer o mundo dos humanos, decide trocar a sua cauda de peixe por um par de pernas. Para assim poder ficar junto de um  moderno príncipe por quem se apaixonou. 
Contra os conselhos conservadores da sua Avó, enfrentando grandes desafios impostos, por uma octópode feiticeira, consegue atingir o seu objectivo, mas nunca chegando a realizar o seu sonho de amor.
Com Catarina Saldanha (Feiticeira), Cátia Miquelino (Pequena Sereia), Sara Basilio (Princesa) e Sofia Dimas no suporte sonoro.
Esta sessão contou mais uma vez com a valiosa participação dos voluntários Ana Morais (Avó) e Jorge Louro (Principe).
Também com o precioso apoio de Teresa Espada nos trabalhos de confecção das caudas de sereia








Etiquetas: ,

quinta-feira, 19 de junho de 2014
Animação do Livro e da Leitura - Projeto "Ler Faz Crescer"
Durante a semana de 2 a 6 de junho a equipa de animação do livro e da leitura promoveu o livro "Bebé Bigodes", de Patacrúa, junto dos alunos do 1.º Ciclo do concelho de Grândola.
Os grupos escolares conheceram a história de um casal de idosos que queria ter um filho. As primeiras tentativas falhadas não os demoveram de  prosseguir o sonho.










Etiquetas: ,

Projeto "Baús dos Livros"
O projeto “Baús dos Livros” tem como objetivo promover e incentivar as crianças, que frequentam os Jardins de Infância do concelho, ao contacto com o livro enquanto objeto lúdico.


A fim de promover essa relação, a Biblioteca Municipal de Grândola disponibiliza 14 baús de livros com inúmeras histórias maravilhosas. 
Assim, durante o ano letivo, as educadoras trabalham com os seus alunos as histórias do seu baú e apresentam um dos livros trabalhados na sala de aula a uma turma de um outro Jardim de Infância. No final, realizam a troca de baús.







Etiquetas: ,

Filme da Semana

O Quinto Poder

um filme de

Bill Condon


"Baseado em factos verídicos este thriller intenso leva-o além das chocantes manchetes e revela a missão do rebelde fundador da Wikileaks (Benedict Cumberbatch) para expor ao mundo a fraude e a corrupção. Com um elenco de estrelas que inclui Laura Linney e Stanley Tucci, O Quinto Poder é uma história empolgante e imperdível de intriga e espionagem." 

Etiquetas: ,

quarta-feira, 18 de junho de 2014
Livro da Semana

Os Factos

de

Philip Roth


"Os Factos é a autobiografia nada convencional de um escritor que mudou o nosso modo de ver a ficção - uma obra de irresistível franqueza e criatividade, particularmente instrutiva na revelação das interacções entre a vida e a arte.

Em Os Factos, Philip Roth concentra-se em cinco episódios  da sua vida: a infância urbana e protegida, nos anos trinta e quarenta; a preparação para a vida americana numa universidade conservadora, nos anos cinquenta; o envolvimento tumultuoso, quando era jovem e ambicioso, com a pessoa mais colérica que conheceu em toda a sua vida («a rapariga dos meus sonhos», como Roth lhe chama); o choque frontal com um influente grupo de judeus indignados com o seu Goodbye, Columbus; e a descoberta, nos excessos dos anos sessenta, de um lado inexplorado do seu talento, que o levou a escrever O Complexo de Portnoy.

O livro termina surpreendentemente - à boa maneira de Roth - com um ataque feroz do romancista às suas competências como autobiógrafo."

Etiquetas:

terça-feira, 17 de junho de 2014
O vilão que quer dominar o mundo
O vilão que quer dominar o mundo

[A começar por Alcobaça]

PEDRO: Hoje, em Mixórdia de Temáticas, uma entrevista a um indivíduo. Sr. Ilídio Ribeiro, o senhor é um indivíduo.

EU: Sou, sim. Tanto que, há dias, eu estava em casa e penso para mim: «Espera lá, eu sou um indivíduo.» E fui-me ver ao espalho e era mesmo.

PEDRO: O senhor tem uma ideia para salvar o país, não é?

EU: Sim, uma ideia para salvar o país dentro da minha área de actividade, que é a trafulhice. Eu sou uma pessoa que, pronto, é ruim. Sou, vá lá, um vilão.

VASCO: Um vilão?

EU: Exacto. Mesmo mau.

VASCO: É que não parece muito mau.

EU: Porque estou a disfarçar. Para vocês não se assustarem.

VANDA: Mas qual é a sua ideia para salvar o país?

EU: Ora bem, é dominar o mundo. Mas não é dominar o mundo de qualquer maneira. É dominar o mundo de forma sustentada. Porque as pessoas, às vezes, metem-se nisso de dominar o mundo com aventureirismos. E acabam por não dominar coisa nenhuma. Eu não vou dominar o mundo todo de uma vez, como é evidente. Eu primeiro vou dominar um terreno em Alcobaça. Já tenho o terreno debaixo de olho, não é um terreno muito grande, é um terreno de cerca de 700 metros quadrados, que é para eu me habituar a dominar, e depois então começar a dominar áreas maiores.

VANDA: Mas porquê em Alcobaça?

EU: Porque a Figueira da Foz tem muita humidade. Qual é o problema? É que o proprietário do terreno de Alcobaça sabe que eu quero o terreno para depois dominar o mundo. E então está-me a pedir um preço exorbitante. Mas tudo bem, que eu sei esperar.

NUNO: Sr. Ilídio, o senhor sempre foi vilão?

EU: Não, eu comecei como estucador. Só que isto está tão complicado, que eu pensei: «Bom, não tenho saídas profissionais na construção civil, mais vale ir dominar o mundo.» Mas eu tentei tudo. Tantas vezes que eu passei por casa do meu vizinho, e dizia: «Ouve lá, é preciso estucar aí alguma coisa?» E ele: «Não, pá. Já te disse, não me chateies.» Mas via-se que era porque não acreditava no meu trabalho. E então eu, um dia, apanhei-o a dormir e estuquei-lhe um pé. Quando ele acorda e se põe a andar, fractura a tíbia e o perónio. E diz ele: «Olha, Ilídio: eu, se te apanho, mato-te, mas que está aqui um bom trabalho de estucador, ai isso está.» Pronto, e ficámos amigos. Mas o meu grande sonho era a música.

NUNO: A música?

EU: Exacto. Cheguei a gravar um álbum chamado Quem és tu, linda morena? Era uma canção muito bonita. O poema contava a história de um homem que vê uma linda morena numa festa, e depois ao longo dos anos continua a encontrá-la em vários sítios, até que um dia ganha coragem e pergunta-lhe: «Que és tu, linda morena?» E diz ela: «Não, eu sou um gajo.» E ele: « Ah, desculpe.» É uma balada.

Ricardo Araújo Pereira, in "Mixórdia de Temáticas"

Etiquetas:

segunda-feira, 16 de junho de 2014
Fábula Buffa - Teatro

Cine Granadeiro

19 de Junho - 22H00

Etiquetas: , ,

Vivam as Férias - Verão * 2014
Novidades Livros

CARVALHO, J. Rentes de
Portugal, a flor e a foice
82 LP-4 CRV



ONDJAKI
Sonhos azuis pelas esquinas
82 LPA-3 NDJ



NOLTE, Dorothy Law
As crianças aprendem o que vivem
159.92 NLT

Etiquetas:

sexta-feira, 13 de junho de 2014
Bom Fim de Semana

Fernando Pessoa (13/6/1888 - 30/11/1935)
por

Hermenegildo Sábat



Bom fim de semana

Etiquetas:

Poema da Semana
Santo António de Lisboa
Era um grande pregador,
Mas é por ser Santo António
Que as moças lhe têm amor.

No dia de Santo António
Todos riem sem razão.
Em São João e São Pedro
Como é que todos rirão?

O manjerico comprado
Não é melhor que o que dão.
Põe o manjerico ao lado
E dá-me o teu coração.

O cravo que tu me deste
Era de papel rosado.
Mas mais bonito era inda
O amor que me foi negado.

O vaso de manjerico
Caiu da janela abaixo.
Vai buscá-lo, que aqui fico
A ver se sem ti te acho.

A abanar o fogareiro
Ela corou do calor.
Ah, quem a fará corar
de um outro modo melhor!

O manjerico e a bandeira
Que há no cravo de papel -
Tudo isso enche a noite inteira,
Ó boca de sangue e mel.

Se ontem à tua porta
Mais triste o vento passou -
Olha: levava um suspiro...
Bem sabes quem to mandou...

Manjerico que te deram,
Amor que te querem dar...
Recebeste o manjerico.
O amor fica a esperar.

Entreguei-te o coração,
E que tratos tu lhe deste!
É talvez por 'star estragado
Que ainda não mo devolveste…

Manjerico, manjerico.
Manjerico que te dei,
A tristeza com que fico
Inda amanhã a terei.

Tenho um livrinho onde escrevo
Quando me esqueço de ti.
É um livro de capa negra
Onde inda nada escrevi.

E ao acabar estes versos
Feitos em modo menor
Cumpre prestar homenagem
À bebedeira do cantor.

Fernando Pessoa, in "Quadras ao gosto popular"

Etiquetas:

quinta-feira, 12 de junho de 2014
A Pequena Sereia - 14 de Junho - 11H00

Biblioteca Municipal de Grândola

14 de Junho - 11H00

Esperamos por si!

Etiquetas: ,

Filme da Semana

Paranóia

um filme de 

Robert Luketic


"PARANÓIA é um intenso thriller sobre os bastidores da «alta-roda» da tecnologia, e de um mundo fatal de ganância e fraude.

Nicolas Wyatt (Gary Oldman) e Jock Goddard (Harrison Ford) são os bilionários mais poderosos do mundo da tecnologia, mas também dois grandes rivais com um passado complicado e capazes de irem até onde for preciso para se destruirem um ao outro. Adam Cassidy (Liam Hernsworth) é uma jovem estrela, seduzido pela riqueza ilimitada e pelo poder, e que acaba por cair no meio desta competição, ficando preso nas reviravoltas dos jogos de vida e morte da espionagem corporativa. Só que quando Adam se apercebe do perigo em que se encontra, já está demasiado envolvido para conseguir sair livremente."    

Etiquetas: ,

quarta-feira, 11 de junho de 2014
Livro da Semana

A planície

de

Jhumpa Lahiri


   "A ação deste romance de Jhumpa Lahiri decorre entre a Índia e os EUA. É a história de dois irmãos ligados pela tragédia, de uma mulher brilhante perseguida pelo passado, de um país destruído pela revolução e de um amor que sobreviveu à morte.
   Subhash e Udayan Mitra são irmãos inseparáveis. Vivem num bairro pobre em Calcutá, onde nasceram, e onde muitas vezes são confundidos pelos vizinhos, tal a sua semelhança.
   Mas eles são bem diferentes.
   Nos anos 60, Udayan junta-se ao movimento de Naxalbari, que luta contra a desigualdade e a pobreza, arriscando a própria vida.
   Subhash, que não partilha a paixão política do irmão, parte em busca de uma carreira de investigação científica num tranquilo recanto dos EUA.
   Mas quando Subhash descobre o quer aconteceu ao irmão, regressa ao seu país de origem, na esperança de poder reconstruir a sua fragmentada família."

A planície foi finalista do Nacional Book Award e esteve na shortlist do Man Booker Prize 2013 

Etiquetas:

sexta-feira, 6 de junho de 2014
Tolerância de Ponto - 9 de Junho

Etiquetas:

Bom fim de Semana
Jorge de Sena (2/11/1919 - 4/6/1978)



Bom Fim de Semana

Etiquetas:

Poema da Semana
Independência 

Recuso-me a aceitar o que me derem.
Recuso-me às verdades acabadas;
recuso-me, também, às que tiverem
pousadas no sem-fim as sete espadas.

Recuso-me às espadas que não ferem
e às que ferem por não serem dadas.
Recuso-me aos eus-próprios que vierem
e às almas que já foram conquistadas.

Recuso-me a estar lúcido ou comprado
e a estar sozinho ou estar acompanhado.
Recuso-me a morrer. Recuso a vida.

Recuso-me à inocência e ao pecado
como a ser livre ou ser predestinado.
Recuso tudo, ó Terra dividida!

Jorge de Sena, in "Coroa da Terra"

Etiquetas:

quinta-feira, 5 de junho de 2014
Filme da Semana

Operação Outono

um filme de 

Bruno de Almeida

"Operação Outono é um thriller político sobre a cilada que levou ao assassínio do General Humberto Delgado pela PIDE em 13 de Fevereiro de 1965, em Los Almerines, perto da fronteira portuguesa. O filme baseia-se em factos verídicos recentemente revelados por Frederico Delgado Rosa, biógrafo e neto de Humberto Delgado, no seu livro Humberto Delgado, Biografia do General sem Medo. A acção decorre em Portugal, Espanha, Argélia, Marrocos, França e Itália, no período entre 1964 e 1981, desde a preparação da cilada de Badajoz pela PIDE, com o nome de código «Operação Outono», até ao julgamento dos implicados no Tribunal de Santa Clara, já depois do 25 de Abril."

Etiquetas: ,

quarta-feira, 4 de junho de 2014
Exposição "Presenças" de Letícia Oliveira

Biblioteca Municipal de Grândola

7 a 28 de Junho (Dia 7 - Abertura às 16H00)

Esta Exposição irá estar aberta ao público no horário de funcionamento da Biblioteca Municipal

Etiquetas: ,

Livro da Semana

O Tango da Velha Guarda

de

Arturo Pérez-Reverte


"1928.
No salão deserto e silencioso de um transatlântico que navega pela noite dentro, um casal dança um tango ainda por escrever...

Ela é Mecha Inzunza, uma mulher enigmática e melancólica.
Ele é Max Costa, um elegante fura-vidas.
Rumam a Buenos Aires, onde Armando de Troeye, marido de Mecha e músico afamado, enfrenta um extravagante desafio. Ao abrigo das ruelas lúgubres e ilícitas da cidade, nasce entre Mecha e Max uma história de amor arrebatadora que será precocemente interrompida. Voltarão a encontrar-se apenas duas vezes ao longo das suas vidas.
Em 1937, numa intriga de espionagem na Riviera Francesa, um dos destinos preferidos da alta sociedade europeia. E em Sorrento, 1966, durante uma inquietante partida de xadrez. Aqui, o tempo é já de nostalgia. O jogo dos amantes está perto do fim. A sua paixão acompanhou o esplendor e a decadência da Europa do século XX e transcendeu o tempo e a distância. Sempre presente e sempre impossível.
Dois amantes dotados de um carisma apenas possível aos grandes personagens de ficção. O século XX como cenário teatral onde decorrem paixões, intrigas, aventuras e reencontros. Esperança e nostalgia. Luz e sombra. Arturo Pérez Reverte escreveu um romance trepidante e criou com Mecha Inzunza uma heroína épica e definitiva."

Etiquetas:

terça-feira, 3 de junho de 2014
"As Artes na Vida e na Escola" - Exposição de Expressão Plástica


Biblioteca Municipal de Grândola

De 5 a 21 de Junho  (Dia 5 - Abertura às 18H00)

Esta Exposição irá estar aberta ao público no horário de funcionamento da Biblioteca Municipal


Etiquetas: , ,